27 de janeiro de 2011

O vacilo do líder



Se existe um grupo de pessoas que dá vacilo, são os lideres. Seja ele um pastor, bispo, presbítero, líder de célula ou de ministério, de pequeno grupo ou de estudo bíblico.  Mas que tipo de vacilo é esse? O vacilo do líder é achar que os erros ou as lutas estão muito longe de acontecer com ele, sendo que, na verdade, o líder não pode se esquecer de que ele é ser humano como qualquer outro.

Você já reparou em quantos lideres já caíram em pecado? Normalmente a liderança não assume suas dificuldades, lutas, tentações. Quantas vezes nos colocamos acima do bem e do mal, agindo como se nunca tivéssemos pecado. Quantas vezes não reconhecemos os nossos erros de comportamento com o próximo? Quantos enfrentam grandes problemas familiares. Mas nunca buscaram ajuda de ninguém.

Infelizmente isso é muito comum na liderança. Porque muitos escondem à “sete chaves” os seus problemas com a justificativa de não expor demais a família, os amigos, colegas de ministério e liderados. Não querem encarar a realidade e fingem que está tudo bem. Não estou defendendo que um líder deve se expor para todos, apresentando os seus problemas familiares, espirituais, etc. Mas eles também precisam de ajuda e auxílio, como qualquer outra pessoa.

Também existem aqueles lideres que se fecham no seu mundinho e nos seus problemas. Isso acontece porque alguns defendem os seguintes argumentos: “não existe ninguém em quem confio”; “as pessoas vão se escandalizar”; “resolvo meus problemas e tentações sozinho”; “o que estou passando não é tão grave”. Chegam a dizer que um dia confiaram em alguém mas se decepcionaram.

Tais justificativas podem ser reais, e digo isto por experiência própria. Já pensei e agi assim em algumas situações, durante muito tempo. Reconheço que, para um líder, não é fácil buscar ajuda e até mesmo confessar as suas falhas para Deus, pedir ajuda para os amigos, se abrir com o seu discipulador e em determinadas situações reconhecer as suas falhas para seus liderados.

Precisamos reconhecer que damos “vacilos” e que, por causa do orgulho, nos isolamos. Agimos assim e com isso enfrentamos tudo sozinhos, como se não precisássemos nem da ajuda de Deus, nem do nosso próximo. Enfrentamos tentações e problemas e, mesmo sabendo que estamos errados, fingimos que não estamos. Somos assim porque não gostamos de expor o nosso erro, não conseguimos lidar com a falha. O líder que nunca agiu assim, que “atire a primeira pedra”.

Outra coisa que acontece muito é que acabamos passando para os nossos liderados e amigos uma imagem de que somos “perfeitos”. Como consequência disto, perdemos a liberdade que Cristo nos dá de sermos sinceros uns com os outros e de assumirmos as nossas dificuldades com o próximo. Transformamos a igreja em um lugar de acusação, em vez de acolhimento e ajuda para aqueles que querem ser restaurados, e isso inclui também os líderes. 

Percebi que, além de reconhecer nossos erros, se torna necessário observar como os lideres do Velho e Novo Testamento, e também aqueles que marcaram a história, lidavam com seus problemas, tentações e pecados. Observando-os, cheguei às seguintes conclusões: assumir os problemas e tentações da vida nos faz ser mais humanos, mais próximos das pessoas, nos livra do pecado e até mesmo do escândalo. Descobri que esconder as nossas dificuldades não nos beneficia em nada, mas nos impede de crescer e aprender algo novo até mesmo com os erros cometidos. Vi que todos nós somos pecadores por natureza. Por isso estamos tão vulneráveis ao pecado como qualquer pecador. Reconhecer as falhas traz cura para o nosso coração (Tiago). Notei que assim como as pessoas, o líder também enfrenta tentações, lutas e problemas, pois ele é ser - humano como qualquer outro.

Deus nos alcançou como filhos. Antes de ocuparmos qualquer cargo na igreja, temos uma posição diante Dele. Somos seus Filhos amados, os quais Ele reconhece e trata como seus.  E disso não podemos nos esquecer jamais se queremos ser líderes.

2 comentários:

  1. Esse texto é muito bom! Faz com que o líder avalie sua vida, intimidade com Deus e ministério.

    ResponderExcluir
  2. O problema é que na igreja parece que todos querem um ídolo para seguir, esquecendo que o unico ja veio ja morreu por nós e nos deu salvação. Existe uma linha fina entre ser franco com seus discípulos e não ser nem considerado um "líder" por seus discípulos. Mas devemos ter em nós um coração como de Davi, que se arrepende sim diante de Deus e é transparente e simples, mas exala o poder e a unção de Deus.
    Deus abençoe o ministério de vcs.

    ResponderExcluir

O que achou do tema? Comente!