5 de fevereiro de 2011

Convertido ou Convencido


 Introdução

Muitas pessoas diziam professar a fé cristã e freqüentavam cultos, participavam de pequenas reuniões, como células, grupos de estudos bíblicos ou oração, escola dominical e grupos de jovens ou adolescentes, mas hoje não estão mais vivendo este contexto. Quem não tem um amigo ou colega de igreja que está desviado?  Quantas vezes ouvimos alguém dizer: “Esse era da igreja...” Quantos adolescentes “crentes” se desviaram do caminho do Senhor? Por que tem tanta gente que está há tanto tempo dentro da igreja e não muda? Ou por que o caráter não muda? Onde estão os que se dizem convertidos.

Depois de pensar e viver muito tempo dentro da igreja e ler sobre a salvação na Bíblia, cheguei à seguinte conclusão: dentro da igreja há pessoas que são convertidas e outras estão convencidas de que são crentes (acham que são convertidas). Em Mateus 13:26, Jesus também fala sobre esses dois grupos. Ele deu o nome a essas pessoas de joio e trigo. “E quando o trigo cresceu e produziu fruto, apareceu também o joio” (RA).

Quero destacar aqui o que a Bíblia mostra sobre o convencido e o convertido.


Convencido:

A primeira atitude na vida de um convencido é o remorso, o qual é um sentimento de culpa que não vem acompanhado de mudança. O melhor exemplo de remorso é o de Caim (Genesis. 4:9-14). Ele ocorre quando nós mesmos, mental e moralmente enxergamos nossa culpa.  O remorso faz a pessoa até mudar durante algum tempo. Ex.: Um casal cristão que namora na adolescência e têm relação sexual. Eles se sentem culpados, param durante um tempo, mas depois tudo volta como era antes. O remorso, geralmente, acontece com muitos adolescentes que dizem que não conseguem mudar na prática constante do seu pecado. A Bíblia diz que “todo aquele que é nascido de Deus não vive na prática do pecado, porque a divina semente permanece nele”. I João 3: 6, 9.

Outra característica a ser destacada no convencido, são as mudanças aparentes. Muitas pessoas decidem mudar e mudam. Ex.: Um adolescente é rebelde e enfrenta a mãe, vê que está errado e muda; outro que mexe com droga e bebida e larga o vicio. Todas essas mudanças não significam que o adolescente é convertido. O fato de alguém deixar de praticar algum mal e se tornar bom não tem nada a ver com a salvação. O único sinal de que um homem é salvo é o arrependimento. Há inúmeros casos de indivíduos que se transformaram sem a graça de Deus. Outro exemplo: Um adolescente que não professa a fé cristã vai num acampamento evangélico. Lá ele faz amizades com pessoas que vivem de “verdade” a fé cristã e, então, por causa do convívio dos dias de acampamento ele acaba se comportando bem. Todavia ele não se converteu ao evangelho. Há muitos que estão dentro da igreja e viveram essa mesma história, obtiveram mudanças ou não, mas não são convertidos. Este fato é uma convincente resposta que nos leva ao porquê das constantes quedas e vexames de alguns “crentes”.

Um ótimo exemplo de um grupo de pessoas convencidas que se preocupavam com a aparência eram os fariseus, escribas (doutores da lei). Jesus diz várias vezes que eles se preocupavam com o exterior, mas seu interior era vazio. (Mateus 23: 25 – 28). Existe uma galera de adolescentes assim também, que vive de aparências porque não quer perder amizades ou o status. Tem medo do que os pais falariam se soubessem da vida que levam fora da igreja, ou da maneira religiosa que levam o compromisso como um cristão. Estes aceitaram a Cristo como salvador, mas não como Senhor ou dono.

O convencido também acha que é convertido porque concorda com os princípios cristãos ensinados pelos pais e aprendido na igreja no período da infância ou adolescência. Porém não quer praticá-los. O conhecimento e aprovação não são suficientes para ser um convertido. Não adianta ser um cristão que tem conhecimento da fé cristã, mas não a pratica. Lendo a História do jovem Rico (Lucas 18: 18 a 23) percebo a semelhança que existe entre ele e alguns adolescentes e jovens que cresceram dentro da igreja. Eles são meros religiosos, vazios, sem nada. Estão convencidos que são salvos, mas de salvos não têm nada. O convencido conhece a religião, mas não conhece o Deus da religião. Tiago. 2:19.

A Bíblia diz o que acontecerá com o convencido. Existem vários textos que falam sobre o destino das pessoas que não são convertidas. Na parábola do joio e do trigo (Mateus 13: 36 a 43), no texto do grande julgamento (Mateus 25: 35 – 46) e ainda em tantos outros textos da Bíblia podemos ter uma idéia de qual será o fim eterno do convencido: a separação eterna de Deus.

Convertido
Conversão ou novo nascimento significa “volta”. Representa uma volta espiritual, voltar-se do pecado para Cristo. É aceitar a influencia de Deus em nossa vida e escolhas. Conversão é o ato de dar as costas para o pecado em arrependimento e voltar-se para Cristo em fé. A história de Nicodemos em João 3: 3 a 8 ilustra bem essa verdade.

Quero neste estudo destacar algumas características de um convertido:

1) Nova Natureza
Todo convertido tem algo característico que é a nova natureza. Mas o que é Nova Natureza? É a nova vida em Cristo, é uma nova maneira de pensar, é viver sob a influência de Deus em nossas escolhas. È ter o Espírito Santo habitando dentro de nós.

O convertido é normal, tem desejos, vontades e tentações, mas tem uma nova natureza dentro dele. O pecado, as tentações e os problemas continuam. Mas porque ele tem o Espírito Santo habitando dentro dele, tem condições para dizer não para o pecado.

2- A dependência de Jesus para ser salvo. João 1:12.
Somos salvos por causa de Cristo, Ele nos salvou e nos aceitou. A salvação veio pela graça de Deus e não pelo nosso esforço em ser aceito, pois assim nunca conseguiríamos nada. Deus pela sua misericórdia nos “resgatou do império das trevas e nos transportou para o reino do filho do seu amor”. É por isso que fomos salvos. Precisamos crer nesta verdade.

3- O arrependimento

É o aspecto prático da redenção. Trata-se de algo completamente diferente do remorso e de uma mudança aparente de vida. Arrepender-se implica em receber uma disposição totalmente nova que nos capacita a não viver mais na prática do pecado. O arrependimento é a única prova de que nascemos de novo. (Mateus. 3:8). Essa marca todo convertido tem. Quando você peca se arrepende.

O Arrependimento é um:
1-     Entendimento intelectual (de que o pecado é errado);
2-     Uma aprovação emocional dos ensinos das escrituras com relação ao pecado;
3-     Decisão pessoal de afastar-se dele (renúncia ao pecado e uma decisão de abandoná-lo e levar uma vida de obediência a Cristo).

Um bom exemplo de um convertido é Zaqueu (Lucas. 19). Ele queria reparar o seu erro
com as pessoas, e acertou tudo com todos aqueles que ele havia roubado.

4- Fome e sede por Deus (conhecimento da palavra de Deus e intimidade com Ele) - João 14:21
Todo convertido tem fome e sede de Deus. Ele busca a Deus através da oração e leitura da Sua Palavra. Existem muitos adolescentes que não lêem a Bíblia e nem oram. Se dissermos que amamos a Deus e o reconhecemos como Senhor e Salvador, uma ação natural é buscarmos conhecê-lo mais e mais.

5- Evangelizar e discipular
           Outra atitude de um convertido é o fato de que ele tem prazer em evangelizar e discipular. Jesus disse aos seus discípulos: “ide e pregai o evangelho a toda criatura”Mc 16:15. Quando uma criança ganha um presente, o que normalmente acontece? Além de brincar com o presente, ela quer contar e mostrar para todos o que ganhou. Assim é um convertido, ele anuncia o maior milagre da sua vida, a salvação em Cristo.

6- O convertido procura a cada dia ser mais santo.
Uma atitude natural de todo convertido é a santificação. O convertido procura a cada dia ser mais santo. (II Co 3; 18, I Pedro 1:15). Alguém que se diz convertido não vive na prática do pecado.

Conclusão
Esta lição não tem o objetivo de acusar e nem ser usada para acusar. Mas através de uma reflexão da verdade bíblica levar você a se identificar como um convertido ou convencido. Ninguém além de você poderá chegar a essa conclusão.

Para alguns, talvez eu possa ter sido muito duro nas minhas palavras. Mas a verdade é que há muitos que se dizem convertidos, mas não são e passam anos dentro da igreja, sem mudança alguma.

Pense e peça a Deus para sondar seu coração e mostrar qual tem sido o caminho que você tem seguido.

Um comentário:

  1. Estudo maravilhoso, muito bom. Parabéns Pastor Bruno, Deus continue abençoando sua vida!!!!!!

    ResponderExcluir